Minha foto
Voluntariamente autista, sociável com trouxas, fluência em melancolicês. Não tem dom de se expressar pela fonética, mas ama a escrita mesmo sem saber juntar a multidão de letras que seguem suas células. Apenas uma alma muda na imensidão de vozes.

Popular Posts

Blogger news

Tecnologia do Blogger.
sábado, 26 de setembro de 2015


Imagine um pequeno ser que fica combatendo algo invisível e que foge dentro do próprio cérebro para não adormecer no silêncio, imagine um pequeno ser que não quer ter sono. Quando escurece a dor desse ser é tão exposta que dormir e enfrentar a escuridão da noite se torna perturbador e tão compressivamente triste que a luta se transforma em se manter mais uma vez desperto. E tudo o que esse ser sabe de si mesmo é que ele está lutando contra uma metáfora de não querer adormecer. Tudo que sabe de si é que quer abrir os olhos, é que está frio demais nesse coração caverna e tudo treme internamente como se fosse desabar enquanto por fora a rigidez das pedras mostram a estase do tempo. Quando se está muito tempo nas profundezas de uma caverna você tende a ficar cego. 

Quando você está encoberto por um sombra, o tempo a torna cada vez mais densa, até que você acaba por se tornar inteiramente sombra, encolhida em um lugar onde a luz do Sol não a pode refletir, você passa a não existir para si mesmo, é o Sol que te faz existir, e febrilmente você irá guerrear para sentir aquele calor te dar forma mais uma vez, mas até a luz do Sol tem o tempo exato para viajar e abraçar outros horizontes. A luz não mais te impressiona, seus olhos não mais a reconhecem por mais que tudo dentro de você a compreende fisiologicamente. Você passa a absurdamente querer ouvir a luz, sim, você quer ouvir a luz chegar, como um choque elétrico diante dos seus olhos.

Na escuridão só uma coisa evidência os sentidos mais amortizados, o que te faz sair para fora de si não pode ser qualquer som, tem sons que fazem os seus ouvidos caminharem nas ondas e tem sons que fazem os ouvidos se taparem e apressarem o passo a se esconder do perigo.  O que te faz sair é tão somente a doce sutileza das ondas sonoras, uma tal voz que não se ouve com frequência, uma voz como uma canção que você imerso na escuridão de pensamentos tão turbulentos a ouve em eco suave.  Um estalo elétrico acontece magicamente dentro de sua mente, é o que te faz querer olhar de onde veio aquele som tão doce, você começa a querer escutá-lo mais de perto, você quer então poder ver o que está transmitindo-o. Quando você sente, está longe, bem longe de onde esteve, e você percebe que a sua guerra não é a  de não querer adormecer e sim de querer ardentemente acordar.  

 Você quer alcançar aquele som de qualquer maneira e esse movimento faz abalar as suas estruturas internas e tudo se encaixa no seu devido lugar e o seu encolhimento se transforma em explosão que causará um pequeno orifício no nada, e era o que faltava para a luz atingir as suas entranhas sombrias.

 Lá no fundo da escuridão é possível ver uma imagem que se tornou tão desconhecida, você não reconhece mais o que é você mesmo, leva um tempo para luz chegar novamente ao mundo gelado dos seus olhos. 

Não é um barulho qualquer que te faz sair da escuridão, não são multidões de palavras ao vento e tampouco terremotos de olhos que te farão correr para um lugar que você ainda não está forjado para encontrar. Você está como uma brecha de um circuito esperando o condutor que se encaixe na sua corrente elétrica estática. 

 Quando se mora em uma caverna não são os olhos o sensor mais forte, o sensível se torna a audição, e só o que pode te salvar é uma gota d'água, uma simples gota d'água que ao cair no chão silencioso de uma caverna é como um estalo na alma, e daquela gota se faz uma concavidade e dessa concavidade aquosa é que tão logo algum orifício trará a luz do Sol novamente. Um simples gotejar faz a alma juntar harmonias solares. 

terça-feira, 22 de setembro de 2015




tem uma lâmina nos meus olhos

só vejo em cortes profundos

tenho um olhar que rasga a realidade

só vejo rasgos em um tecido finíssimo

tenho a visão de brechas 

de passagem para outro universo

só enxergo o que não tem espaço

eu te olho como quem olha um céu escuro

como se visse um véu tênue de seda transparente

um olhar que corta o próprio corpo só para olhar de verdade

tem uma lâmina nos meus olhos 

que quer fender o tempo.